Plantando Sementes

Postado em 04/11/2013 por Renata Terra.

Com informações de Professora do 3º PEDI, Kellen Massena.

Visualizado 10603 vezes.


Por meio da história “João e o pé de feijão”, vimos que João trocou sua vaquinha Mimi por cinco feijões mágicos, e plantou na horta de sua casa.

 

E para entendermos o processo da plantação e a importância da água, os 3º PEDI´S realizaram a experiência dos feijões, iniciando com um passeio pelos jardins de nossa escola, para verificação e análise das plantas, flores e árvores.

 

Então, uma pergunta foi feita: como será que as plantas nascem?

 

E uma sugestão foi apontada: então, vamos fazer uma experiência para entendermos isso.

 

Fizemos a experiência do feijão com algodão, e descobrimos que para o feijão brotar é necessário oferecer à  planta do feijão: água, luz e calor. Para experimentar isso, utilizamos algodão para visualizar o enraizamento da planta. Nesse momento, enfatizamos que muitas das plantas nascem de sementes.

 

Em seguida, colocamos algumas sementes em um recipiente e outras sementes de feijão sobre um chumaço de algodão, que foi umedecido com água e colocado num lugar aquecido e ensolarado.

 

Num outro pote foi colocado o algodão, os feijões e deixado em um lugar aquecido e ensolarado, mas não foi umedecido.

 

Em um terceiro recipiente foi adicionado o algodão, os feijões e um pouco de água. Após, foi guardado em um armário, deixando-o sem a luz do sol.

 

Depois, foi só observar!

 

Nos primeiros dias, o grão do primeiro recipiente inchou, se partiu, e a plantinha começou a se enraizar. No 3º dia, a raiz ficou mais comprida.

 

Após dois dias, outras raízes aparecem. A observação continuou, e colocamos mais água.

 

Em uma semana, o feijão ficou suspenso no ar e se partiu em duas partes.

 

No 8º dia, apareceram folhinhas que são os primeiros brotos do feijoeiro.

 

No segundo e no terceiro recipiente, verificamos que  as sementes não germinaram como as do primeiro pote, pois, para que a planta nasça e cresça saudavelmente, é preciso ter água, luz e calor.

 

Após essa experiência, fizemos uma horta, e cada turma nomeou a sua horta: horta da amizade, do amor etc.

 

Concluímos que as plantas são como nós: não vivem sem água. Por isso, vamos juntos, continuar a preservar esse patrimônio natural, utilizando-a com consciência.

 

LINK http://letras.mus.br/guilherme-arantes/46315/


 PLANETA ÁGUA

(Guilherme Arantes)
 

Água que nasce na fonte
serena do mundo
e que abre um
profundo grotão
água que faz inocente
riacho e deságua
na corrente do ribeirão...

 

Águas escuras dos rios
que levam
a fertilidade ao sertão
águas que banham aldeias
e matam a sede da população...

 

Águas que caem das pedras
no véu das cascatas
ronco de trovão
e depois dormem tranqüilas
no leito dos lagos
no leito dos lagos...

 

Água dos Igarapés
onde Iara, a mãe d'água
é misteriosa canção
água que o sol evapora
pro céu vai embora
virar nuvens de algodão...

 

Gotas de água da chuva
alegre arco-íris
sobre a plantação
gotas de água da chuva
tão tristes, são lágrimas
na inundação...

 

Águas que movem moinhos
são as mesmas águas
que encharcam o chão
e sempre voltam humildes
pro fundo da terra
pro fundo da terra...

 

Terra! Planeta água
Terra! Planeta água
Terra! Planeta água...

 

Água que nasce na fonte
serena do mundo
e que abre um
profundo grotão
água que faz inocente
riacho e deságua
na corrente do ribeirão...

 

Águas escuras dos rios
que levam a fertilidade ao sertão
águas que banham aldeias
e matam a sede da população...

 

Águas que movem moinhos
são as mesmas águas
que encharcam o chão
e sempre voltam humildes
pro fundo da terra
pro fundo da terra...

 

Terra! Planeta água
Terra! Planeta água
Terra! Planeta água...(2x)