Por que não ser um campeão de Xadrez?!

Postado em 28/12/2018 por Renata Dias Lopes.

Com informações de Prof.ª Alexandra Dorigheto.

Visualizado 186 vezes.


Segundo Antonio Villar Marques de Sá, especialista em Pedagogia Enxadrística do Brasil, “o Xadrez, por se tratar de um jogo complexo, é uma das melhores atividades para desenvolver a capacidade intelectual dos jovens.” A prática enxadrística estimula o desenvolvimento de habilidades cognitivas, como atenção, concentração, raciocínio lógico, memorização, organização de ideias, imaginação, antecipação, espírito de decisão, autocontrole, disciplina, perseverança; habilidades essas, muito importantes para o desenvolvimento de qualquer disciplina. Por acreditar nisso, o Centro Educacional São Camilo inseriu, na grade curricular do Ensino Fundamental I, há algum tempo, essa disciplina.

 

Vale ressaltar que o professor de xadrez atua como mediador na construção do conhecimento, enquanto os alunos desenvolvem suas habilidades com a utilização dos jogos em seus tabuleiros, nas mesas de xadrez do pátio ou no laboratório de informática, além das atividades propostas a partir do livro didático, de livros de história, filmes e apresentações no Datashow.

 

O xadrez ensina às crianças o mais importante na solução de um problema, que é saber olhar e entender a realidade apresentada. Além disso, aprendem que as peças do xadrez não têm valores absolutos, que se deve controlar a posição das demais peças, tanto as próprias como as do adversário, para armar uma estratégia. É necessário, para jogar xadrez, ter a percepção de flexibilidade e reversibilidade do pensamento que ordena o jogo.

 

Por tudo isso, foi proposto, na última unidade de ensino, o Campeonato de Xadrez. Para dar início a esse campeonato, a Prof.ª Alexandra Dorigheto realizou um sorteio na sala, em que ficaram definidos os alunos que competiriam entre si na primeira fase. Nas aulas seguintes, os alunos enxadristas começaram seus jogos de forma que o aluno que ganhasse a partida, estaria automaticamente classificado para uma nova fase. Em contrapartida, o aluno que perdesse seria desclassificado do campeonato, porém, devia continuar seus aprendizados enxadrísticos por meio de jogos com outros colegas e/ou atividades extras no caderno de Xadrez.

 

No local escolhido para as partidas, as duplas deveriam posicionar-se, lembrando-se, sempre, das Regras de Boa Conduta do Enxadrista. A Prof.ª Alexandra Dorigheto atuou como a árbitra das partidas, intervindo sempre que solicitada pelas duplas.

 

Depois de algumas fases, as duplas finalistas foram Lucas Misse e Cezar Augusto, alunos do 5ºM¹; Victor e Mel, alunos do 5ºM² e João Pedro e Lucas, do 5ºV. Após um jogo emocionante em que as duplas mostraram que são verdadeiros xadrezistas, e alguns xeques e xeques-mate, Lucas Misse, Victor e João Pedro sagraram-se campeões, ficando cada um com a medalha.

 

A Prof.ª Alexandra Dorigheto parabeniza a todos os alunos dos 5ºs anos, pois aplicaram os conhecimentos adquiridos durante o ano e, realmente, mostraram que dominam o jogo e que são grandes xadrezistas.