Na corda do CORDEL - Tem rima no PAPEL

Postado em 28/10/2019 por Stanley Mion.

Com informações de Coordenação Pedagógica .

Visualizado 252 vezes.


O Cordel é muito popular na Região Nordeste do Brasil. São folhetos trazendo poemas populares, que são vendidos ao ar livre, e que, tradicionalmente, eram expostos pendurados em cordas ou cordéis, de onde originou-se o nome, assim como também o termo literatura de cordel. O cordel é escrito, geralmente, em forma de rima, e, quando em edições ilustradas, é utilizada a técnica da xilogravura, uma de suas características mais marcantes. Os cordéis são, em geral, algumas poucas folhas dobradas e colocadas uma dentro da outra formando um “livrinho” ou uma “revistinha”, muitas vezes com papéis de pouca qualidade.

 

Foi nesse contexto histórico-literário que os alunos dos 4°s anos, nas aulas de Língua Portuguesa, sob orientação da professora Vanessa Juriatto Santos Pedroni, produziram um folheto de cordel cujo tema era as características da turma, valorizando o potencial e os gostos de cada aluno (a). A produção foi coletiva e acabou ganhando um formato de “livrinho” que, posteriormente, foi exposto na biblioteca escolar, lindamente ornamentada pela equipe desse local mágico de aprendizagem, sob orientação da colaboradora Eveline.

 

Na ocasião, os alunos fizeram a leitura do cordel da turma, penduraram seus “livrinhos”, tiraram a foto nordestina, temática para o gênero textual em foco, e escutaram a história “O menino do dinheiro em cordel”, sugerida pela coordenadora Thaís e contada com o auxílio do fantoche Reinaldo, que foi a diversão da criançada.

 

“Estimular a escrita criativa nas crianças é um excelente caminho para estimular a aprendizagem da linguagem e o desenvolvimento integral dos nossos alunos. As crianças têm grande imaginação que, aplicada à escrita, produz extraordinários benefícios”, relatou a professora idealizadora da atividade.