Acadêmicos de Engenharia Civil criam projeto para dar fim a alagamentos em praça

Postado em 01/12/2017 por Priscila Amed Schuab.

Com informações de Jornal Espírito Santo de Fato.

Visualizado 728 vezes.


Basta chover um pouco mais forte e a história se repete. A Praça da Unimed, no bairro Gilberto Machado, em Cachoeiro de Itapemirim, é tomada pela água. Para tentar diminuir o problema, três estudantes de Engenharia Civil do Centro Universitário São Camilo-ES fizeram um projeto que sugere a readequação no sistema de drenagem e, até mesmo, a construção de reservatório subterrâneo sob a praça para reter o excesso de líquido.

O projeto faz parte do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Alexandro Silva Curitiba, Leonardo Bazilio e Washington Teodoro Rodrigues, apresentado nesta terça-feira (28) no Centro Universitário. O projeto já foi levado à secretaria de Desenvolvimento Urbano e será apreciado também pelo prefeito Victor Coelho.

“Realizamos um estudo hidrológico e medimos o tempo de chuva torrencial de pelo menos 10 minutos para calcular o volume de água que precisa ser drenada e que pode escorrer no local”, explica Alexandro.

Segundo o formando, a drenagem atual já não suporta mais grande volume de água. A saída é remodelá-la ou, então, construir um reservatório submerso à Praça da Unimed, que captaria a água que viria da parte alta do bairro, impedindo que chegasse à drenagem de uma só vez, o que ocorreria aos poucos, com a utilização de uma bomba.

A utilização da bacia de detenção ou reservatório constitui um mecanismo de controle, que regulariza e armazena águas.  “Atualmente, a água passa por cima das caixas de captação e escorre por toda a extensão da rua e deságua na Praça Jerônimo Monteiro”.

Engenharia

O estudante destacou a importância do curso de Engenharia Civil na melhoria da cidade. “Com novos profissionais formados, pode-se pensar em desenvolver novas tecnologias e não fazer as construções de forma convencional, como sempre foram feitas. Com a vinda do curso aqui para Cachoeiro, recebemos também visões novas, formas de construir e tecnologias”, finaliza o estudante.