Porto Seguro: Redescobrindo o Brasil

Postado em 08/10/2013 por Renata Terra.

Com informações de Coordenadora Miria Azevedo Couto Brandão.

Visualizado 655 vezes.


Entre os dias 14 e 17 de setembro, os alunos dos 7ºs anos realizaram a viagem de estudos à cidade de Porto Seguro, na Bahia. 

 

Visitamos vários lugares, incluindo todos os cantinhos de Porto Seguro que foram palco do Descobrimento do Brasil e dos momentos que marcaram a chegada dos portugueses a nossa terra.

 

Nesta nossa “redescoberta” do Brasil, olhamos a nova terra com os olhos do descobridor e visitamos a aldeia indígena Pataxó para aguçarmos todos os nossos olhares para a terra: o olhar do descobridor e o olhar do índio que já era dono dessas terras.

 

Os alunos tomaram conhecimento de que os índios Pataxós recebem estudantes e turistas em sua reserva com o objetivo de fortalecer a cultura indígena e enfraquecer a discriminação que ainda existe com esse povo. Eles mostraram, através de palestra e de caminhada leve na mata, a cultura que eles preservam. Os alunos e professores participaram do ritual de confraternização, acompanhado de muita música e dança. Esse contato com os índios Pataxós nos ensinou que o índio ancião é importante para a aldeia, pois é através dele que os mais novos conhecem a história de vida do seu povo.

 

Isso nos fez refletir com os alunos a valorização do idoso, de suas  experiências e sabedoria que devem ser respeitadas e ouvidas em todas as civilizações.

 

Em todas as visitas estadas em todos os espaços, observamos os aspectos geográficos, humanos, ambientais e científicos: aspectos ambientais e sustentáveis, conservação ambiental e problemas urbanos, vegetação e hidrografia, os habitats naturais e os biomas (Mata Atlântica e Manguezal), além dos corais. Observamos também aspectos culturais e históricos: as Grandes Navegações e a “Descoberta” do Brasil, a origem da população brasileira, o processo de povoamento da nova terra, a colonização portuguesa, marcas culturais e as culturas do branco europeu, do índio e do negro.

 

Vale a pena enfatizar como é importante e diferente conhecer esses lugares em grupo, estudando e interagindo com os outros... É como se a gente conhecesse não só o lugar, mas a “alma” dele e de seu povo. Isso justifica e engrandece nossas viagens de estudo.

 

Veja as fotos e curta alguns de nossos bons momentos.