Lendo e ouvindo com a imaginação

Postado em 07/11/2016 por Gilliane Correia Wichello.

Com informações de Coordenação Pedagógica.

Visualizado 486 vezes.


Os alunos dos 5º anos do Centro Educacional São Camilo foram apresentados a Rosinha, uma garotinha do interior de Goiás que nos encantou com as histórias que era capaz de descobrir com o papel que embrulhava o presente que o pai, seu Zezete, lhe trouxe em uma de suas viagens.

 

Nesse livro, o autor Marcos Bagno conta a história de Rosa, uma menina que ganhou do pai uma fruta que ela nunca tinha visto antes: uma maçã. A fruta estava embrulhada num papel de seda roxo. Para o espanto de todos, Rosa colocou o papel junto à orelha e ouviu tudo o que ele lhe contou: onde o pai comprou a maçã, quem a vendeu e quanto custou a fruta. Num outro dia, mesmo sem ainda saber ler, a menina comentou a história que estava dentro de um livro. O mistério é: será que Rosa tinha o dom de adivinhar?

 

Capaz de encantar crianças e adultos, a história “O papel roxo da maçã”, de Marcos Bagno, fez nossos alunos entrarem no mundo da imaginação e descobrirem histórias para contar. A primeira foi através  de um amigo oculto. Todos trouxeram de presente uma maçã, embrulhada no papel roxo. Usando a imaginação e criatividade, tiveram de descobrir o que foi feito para que aquele presente chegasse até ele. Exemplo: meu amigo saiu cedinho para comprar uma maçã fresquinha, e como não tinha papel roxo para embrulhar, teve ir   à papelaria e pelo caminho encontrou ... Pode imaginar quantas histórias foram produzidas na oralidade? Quanta imaginação!!!

 

Com Rosinha, descobriram também que a leitura pode ser prazerosa, quando “podem-se ouvir os livros”. Com isso, nossas histórias na biblioteca não têm sido as mesmas. Todos os alunos querem ouvir e contar as histórias que os livros lhes contaram.

 

Isso comprova que a leitura precisa ser significativa e contextualizada, levando em conta as experiências do aluno enquanto participante do processo de aprendizagem. Ela contribui muito para uma melhor e mais agradável aquisição do processo de leitura, pois o prazer de ler impulsiona e mantém viva a leitura na vida de cada um de nós.